segunda-feira, 24 de agosto de 2015

PENSO, LOGO CRIO



PENSO, LOGO CRIO


“Penso, logo existo”, frase dita por Descartes, filósofo e matemático francês que atribui a existência do ser ao ato de pensar. Pensar não é necessário para existir, pois as pedras e as plantas existem, mas não pensam. Como conhecimento atual da Doutrina Espírita vamos mais alem, dando ao pensamento a responsabilidade de criar:
Penso, logo crio.
Embora nem tudo que existe pensa, o pensamento é o nascedouro de tudo que o homem faz, fala e cria, tanto na vida da matéria como na do espírito.
Pensar é criar, mesmo inconsciente, portanto, pensar merece toda nossa atenção para que possamos fazer com que nossos atos sejam produtivos e benéficos.
As idéias negativas geram atos nocivos que rebaixam o homem.
As positivas são as que mais criam, refazem e elevam.

Uma criatura que projeta pelo pensamento idéias de destruição para alguém ou alguma coisa, está, mesmo sem fazer, destruindo porque o pensamento tem uma força que ainda não conhecemos integralmente.
Somos co-criadores do universo, tudo que pensamos cria forma negativa ou positiva; criadora ou destruidora. Cabe a nós a responsabilidade do que emitimos.
O homem na sua caminhada para a evolução e pela ampliação de sua consciência adquire maior controle das suas projeções mentais. A inferioridade das criaturas é fruto da pobreza e limitações do seu pensar.

O popular “mau olhado” que resseca plantas e adoece crianças pequenas é origem dos maus pensamentos que são emitidos pelo olhar. Muitas criaturas conseguem projetar mentalmente energias poderosas de cura e equilíbrio porque trabalhou na sua purificação mental.

Pensar é criar, cuidemos dos nossos pensamentos para que sejam bons e positivos.
Mude seus pensamentos e mudará sua vida.

                                        Miryã Kali/MLucia

Um comentário:

JulioC NGomes disse...

eu gosto muito das mensagens todas que tenho encontrado, geralmente no grupo yahoo peço autorização para compartilhar e publicar as mesmas. desde já agradecido.
abraços.
Julio